A Amazon quer comprar o Carrefour?

Imagine o consumidor comprar seu litro de leite ou seu quilo de tomate em uma loja Amazon? Esta questão não é tão provocativa como parece, porque, desde o início do ano, um boato está rondando o mundo varejista: o desejo da Amazon em  adquirir a rede Carrefour. Apesar de a notícia não ter sido confirmada pela empresa sediada em Seattle, nos Estados Unidos, o rumor fez com que as ações do grupo europeu registrassem uma das maiores subidas na bolsa de Paris.

“Tal operação faz sentido”, explica Xavier d’Ornellas, gerente da consultoria Amplegest. Lembre-se de que a Amazon primeiro matou as livrarias nos Estados Unidos antes de ela abrir as suas. No final de maio, a gigante da internet  inaugurou sua primeira loja em Nova York para “aprimorar as preferências de seus clientes, enquanto oferece ao leitor o prazer de folhear um livro”. E o especialista para esclarecer seu pensamento: “Os grandes distribuidores destruíram o pequeno comércio na França. Agora a Amazon vai matá-los.”

Os analistas fizeram seus cálculos. O Carrefour não é caro: custa cerca de 13 bilhões de euros no mercado de ações em comparação com 394 bilhões para a Amazon, ou trinta vezes mais para o volume de negócios relativamente similar, na ordem de 100 bilhões.

Os analistas acreditam que uma parceria entre o distribuidor francês e o Google, em vez da Amazon, seria uma “opção credível”. Se o Google e a Amazon estão interessados na distribuição clássica, é porque, ao contrário de uma crença de que tudo é comprado na Internet, o varejo ainda representa 90% das vendas em todo o mundo e essa porcentagem excede 95% no setor de alimentos. A importância deste potencial volume de negócios não poderia deixar insensíveis os gigantes agora muito lucrativos da internet.

Com uma capitalização de vários bilhões de dólares, eles possuem amplos meios para comprar empresas de distribuição tradicionais, que são enfraquecidas pelas suas margens devido aos altos custos de imóveis e aos custos salariais. Em três meses, duas operações iniciadas pela Amazon e Google foram realizadas nos Estados Unidos: esses dois grupos não são mais apenas gigantes da alta tecnologia, acabaram de se transformar em gigantes da distribuição multicanal , com um imenso poder de barganha com fornecedores.

Whole Foods, o primeiro da lista 

Em meados de junho, a Amazon comprou a rede norte-americana Whole Foods por US$ 13,7 bilhões, expandindo assim seu império. O negócio valeu a pena, a Amazon passou do décimo lugar no ranking dos distribuidores mundiais para o segundo; certamente, muito atrás do Walmart, mas chegou perto do alemão  Schwarz, da francesa Carrefour e o britânico Tesco.

Alguns especialistas acreditam que este é um primeiro passo, o que permitirá que o grupo americano aprenda a gerenciar uma loja “difícil”, mesmo que possua algumas dúzias na América do Norte. Outros estão mais preocupados com o futuro da cadeia e o setor em geral: em dezembro, a Amazon apresentou uma loja de testes em Seattle, Amazon Go, com o conceito muito simples: “sem fila, apenas tire seus produtos”. Esta loja de conceito está cheia de câmeras que acompanham o consumidor, gravam o que é preciso, o que ele coloca nas prateleiras, o que permite faturar diretamente a sua conta da Amazon. Ele poderia duplicar o conceito de Amazon Go no Whole Foods Market.

A guerra entre os dois gigantes da Internet, que até então tinha sido confinada ao mundo digital, não demorou em se declarar no mundo real, nas prateleiras dos supermercados. Jeff Bezos decidiu imediatamente atacar muito, ordenando uma redução dos preços dos produtos da Whole Foods Market. “Estamos empenhados em tornar os alimentos saudáveis e orgânicos acessíveis. Todos devem ser capazes de consumir produtos Whole Foods e preços mais baixos, sem comprometer nosso compromisso histórico com produtos de qualidade “, disse Jeff Wilke, diretor da divisão de vendas da Amazon.

Algumas frutas (bananas, abacates) e peixes (salmão) viram seus preços imediatamente caírem cerca de 30%. A frequência aumentou imediatamente em 25%. Com o Whole Foods Market, o site de vendas online não faz nada além de aplicar sua própria estratégia: vender alguns dos seus produtos com margem quase zero para aumentar o número de seus clientes e assim mantê-los.

Os preços mais baixos também são uma maneira para a Amazon se livrar de alguns de seus concorrentes, como já fez. Isto é o que aconteceu com o diaper.com diapers.com, no mundo da fralda, no final da década de 2000. Não conseguiu adquiri-lo, Jeff Bezos embarcou em uma guerra de preços diminuindo em 30% dos produtos de puericultura, incluindo fraldas. Isso acabou forçando a empresa de fraldas a aceitarem a oferta de US $ 540 milhões da Amazon, apesar de uma oferta do Walmart de US $ 600 milhões. Tudo é uma questão de preço…

Fonte: Portal Valeurs Actuelles